• Curso com o Sistematizador DeRose na Sede Central

    Ontem rolou curso com o próprio Sistematizador na Sede Central – Jardins. O tema foi Boas Maneiras, um dos conceitos que fazem parte dessa cultura.
    No nosso site tem uma matéria sobre esse tema.
    Se quiser saber mais, recomendamos o livro Método de Boas Maneiras do próprio DeRose.

    Metodo-DeRose-Vila-Madalena-DeRose1

     

    Desculpe (capítulo do Método de Boas Maneiras)

    “A utilização do pedido de desculpas pode evitar até 90% dos conflitos entre amigos e desconhecidos. Só não funciona tão bem entre familiares, mas mesmo assim atenua bastante as tensões.

    Deve ser utilizado não apenas quando você cometer algum erro, mas também quando outros os cometerem. Alguém lhe dá um esbarrão, você tem a certeza de que a culpa foi do outro, contudo, diz-lhe: “desculpe”. O outro provavelmente dirá o mesmo. Ou se ele estiver convencido de que a culpa foi sua, dirá “não foi nada”.

    Não há preço que compense a economia de saúde a curto e a longo prazo, proporcionada por evitar um confronto, seja ele com desconhecidos, com amigos ou com familiares.

    Então, vamos proceder a uma reeducação psicológica. Você aprendeu que quando os outros erram, eles é que têm que pedir desculpas. Agora está reaprendendo: quando você erra, pede desculpas e quando os outros erram você pede também.

    Jamais diga: “você não compreendeu o que eu disse”. No lugar dessa indelicadeza, declare com solenidade: “desculpe, creio que eu não me expliquei bem”.

    E numa circunstância em que assumir a responsabilidade poderia lhe custar um belo prejuízo? Se ocorrer um acidente de trânsito, você tem a certeza de que a culpa foi do outro motorista! Mas ele também tem a certeza de que a culpa foi sua… Então, que tal assumir a culpa e desculpar-se? O seguro paga. Não tem seguro? Então, não é para você que estou escrevendo. Todo o mundo tem seguro de tudo, do carro, da casa, de vida, de assistência médica. Quem não o tem é tão imprevidente que não faz sentido ler um livro destes. E não venha com a estória da falta de dinheiro que isso não convence. Bastaria comprar um carro minimamente mais barato e fazer o seguro.

    E como fica a questão do direito e da justiça? Como é que você vai assumir uma culpa que não é sua? Não seria isso uma atitude meramente covarde? Ao contrário! Definitivamente, é preciso muita coragem e dignidade para assumir a sua própria culpa e, muito mais, a de outrem. Isso foi o que fizeram inúmeros santos e heróis nacionais, pessoas com um elevado sentido de compromisso humanitário a ponto de sacrificar o próprio ego e às vezes, até a vida.

    Mas antes de utilizar a estratégia do pedido de desculpas, é preciso eliminar o sentimento de culpa típico das ex-colônias. Na América Latina diz-se o “desculpe-me” com humildade e inferioridade, enquanto que nos países colonizadores utiliza-se esse termo como recurso de superiorizar-se em relação à pessoa com quem se fala.

    Na França aplica-se o “pardon M’sier” para chamar a atenção de alguém que tenha sido indelicado ou que tenha procedido mal em qualquer circunstância.

    Na Inglaterra e outros países que falam dialetos do inglês, usa-se a forma “I beg your pardon” (eu suplico o seu perdão) para fazer uma admoestação com superioridade e elegância a quem tiver cometido uma falta, uma arrogância ou impertinência.

    Em ambos os casos a pessoa que pediu perdão fê-lo de cabeça erguida, com atitude de quem estava acima do outro. Com o pedido de perdão rebaixou o interlocutor, obrigando-o a responder com uma justificativa. No caso do inglês, a pessoa fica instada a modificar sua frase anterior. Se ela havia dito, por exemplo: “O senhor retirou o objeto que estava aqui”, o “I beg your pardon” tem o poder de modificar a atitude do acusador para algo como: “Sinto muito, o que eu quis dizer foi que o senhor pode inadvertidamente ter esbarrado e deixado cair o objeto em questão”. Você nota uma flagrante diferença de postura no pedido de perdão do colonizador e no do colonizado.

    Como estou lidando com um leitor que já é viajado e cosmopolita (se ainda não o é, passará a ser com a leitura dos meus livros), posso propor que assuma a postura de elevada auto-estima ao aplicar a estratégia do pedido de desculpas. Ao fazê-lo, você não estará se humilhando nem se rebaixando, mas estará pensando consigo mesmo: “Controlei a situação e dominei esse bruto que tenho diante de mim. Estou satisfeito por ter conseguido fazê-lo com uma inteligente administração de recursos. Na relação custo/benefício, poupei tempo, economizei stress e ainda contabilizei uma pessoa que pode vir a ser útil no futuro.”

  • Um brinde a 2017

    Nossa matéria de hoje é um brinde a este 2017! Aos aprendizados que nos trouxe, desafios e realizações.

    Nas palavras do Sistematizador DeRose, Sistematizador da Nossa Cultura:

    “Possamos todos respeitar os outros seres humanos e suas culturas, possamos respeitar os seres angelicais de quatro patinhas, possamos respeitar o planeta que nos acolhe e a todos retribuir da forma mais carinhosa.
    Para trazer felicidade, a muita gente basta um abraço, para muitos anjinhos peludos basta um afago e para o planeta basta um pouco mais de consciência.”

    Que possamos estar ainda mais próximos neste próximo ano!

    Um grande abraço e excelente 2018!

    Two colorful fruit shakes in hands. Summer and tropical mood. Cold blended drinks, banana and dragon fruit smoothie. Clink glasses by couple hands

  • O sorriso

    Texto extraído do livro Método de Boas Maneiras – Comendador DeRose

    O sorriso

    O mundo é como um espelho: sorria para ele e só verá sorrisos. Se há uma linguagem universal, essa é o sorriso. Você pode não falar o idioma de um determinado país, mas ao sorrir para as pessoas, todos o compreendem e retribuem. O sorriso serve como cumprimento, como pedido de desculpas e como aceno silente e simpático quando olhares se cruzam.
    Se você entra num ambiente e sorri para os que lá estão, é como se estivesse lhes dizendo: “Como vão? Estou feliz por
    vê-los.” Se, ao conduzir seu automóvel, comete um erro no trânsito, o sorriso pode significar: “Desculpe, amigo, foi sem querer.”

    Em minhas aulas digo coisas capazes de fazer corar urna estátua de mármore, mas, como falo sorrindo, o público ri comigo e não se ofende. Pessoas sisudas terminam por absorver uma impressão azeda do mundo, pois os demais vão refletir sua fisionomia e retribuir com a mesma frieza ou antipatia.
    Treine todos os dias um exercício de musculatura da face. Procure erguer os músculos que se situam bem abaixo dos olhos. São aqueles que os desenhistas costumam representar com um arco sob os olhos quando desejam indicar simpatia e felicidade. O sorriso é o nosso grande trunfo. Denota civilidade, educação, delicadeza, confiança em si mesmo… E abre muitas portas! Acima de tudo, sorrir rejuvenesce mais do que uma cirurgia plástica e é muito mais barato.

    37781383271_11717269b9_b

  • A importância de viajar

    “Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”.
    Amyr Klink

    Como aluno do DeROSE Method, você tem a possibilidade de praticar, quando em viagem, noutras Escolas, em várias cidades de todas as regiões do Brasil e no exterior, nas capitais dos principais países da Europa e das Américas. Você não precisa interromper seu programa de práticas!

    Quem viaja expande horizontes, conhece novas pessoas, amplia laços afetivos e, acima de tudo, constrói memórias. Assim, vai criando uma rede de amizades por todo o mundo!

    24320042882_6b33b78708_k

  • Dia da Amizade

    Se aproxima o dia do amigo e da amizade, que poderia ser considerado um dos mais importantes do ano, afinal, “A melhor parte da vida de uma pessoa está nas suas amizades”! (Abraham Lincoln)

    Uma das principais características da Nossa Cultura é o sentimento gregário, o que pode sim ser traduzido como o hábito de gerar sempre novas amizades e cultivar as antigas. O grupo, as amizades sinceras, a partilha constante reservam-nos uma aprendizagem contínua através do outro e com o outro.

    “Sentimento gregário é o que induz cada um de nós a perceber, bem no âmago da nossa alma, que fazer tudo isso, participar de tudo isso, não é uma obrigação, mas uma satisfação.” Sistematizador DeRose

    Um brinde e um texto de Fabrício Carpinejar, celebremos, a cada dia, a força da amizade!

     

    OS AMIGOS INVISÍVEIS

    Os amigos não precisam estar ao lado para justificar a lealdade. Mandar relatórios do que estão fazendo para mostrar preocupação.

    Os amigos são para toda a vida, ainda que não estejam conosco a vida inteira. Temos o costume de confundir amizade com onipresença e exigimos que as pessoas estejam sempre por perto, de plantão. Amizade não é dependência, submissão. Não se têm amigos para concordar na íntegra, mas para revisar os rascunhos e duvidar da letra. É independência, é respeito, é pedir uma opinião que não seja igual, uma experiência diferente.

    O que é mais importante: a proximidade física ou afetiva? A proximidade física nem sempre é afetiva. Amigo pode ser um álibi ou cúmplice ou um bajulador ou um oportunista, ambicionando interesses que não o da simples troca e convívio.

    Amigo mesmo demora a ser descoberto. É a permanência de seus conselhos e apoio que dirão de sua perenidade.

    Amigo mesmo modifica a nossa história, chega a nos combater pela verdade e discernimento, supera condicionamentos e conluios. São capazes de brigar com a gente pelo nosso bem-estar.

    Assim como há os amigos imaginários da infância, há os amigos invisíveis na maturidade. Aqueles que não estão perto podem estar dentro. Tenho amigos que nunca mais vi, que nunca mais recebi novidades e os valorizo com o frescor de um encontro recente.. Não vou mentir a eles, vamos nos ligar? Num esbarrão de rua. Muito menos dar desculpas esfarrapadas ao distanciamento.

    Eles me ajudaram e não necessitam atualizar o cadastro para que sejam lembrados. Ou passar em casa todo o final de semana e me convidar para ser padrinho de casamento, dos filhos, dos netos, dos bisnetos. Caso os encontre, haverá a empatia da primeira vez, a empatia da última vez, a empatia incessante de identificação. Amigos me salvaram da fossa, amigos me salvaram das drogas, amigos me salvaram da inveja, amigos me salvaram da precipitação, amigos me salvaram das brigas, amigos me salvaram de mim.

    Os amigos são próprios de fases: da rua, do Ensino Fundamental, do Ensino Médio, da faculdade, do futebol, da poesia, do emprego, da dança, dos cursos de inglês, da capoeira, da academia, do blog. Significativos em cada etapa de formação. Não estão em nossa frente diariamente, mas estão em nossa personalidade, determinando, de modo imperceptível, as nossas atitudes.

    32180534514_d6f80d15fa_k

  • Valentine’s Day

    Nesta data especial para vários países, que celebra a união, o companheirismo, as parcerias, amizades e o próprio amor, presenteamos com o capítulo de um dos livros mais significativos da nossa bibliografia, do escritor DeRose: “Eu me Lembro – Um relato poético da saga de um povo que viveu e lutou em algum lugar no passado.”

    Deixe-se envolver pela leitura e… por que não concretizar a vivência narrada? Contemplar a natureza, experimentar a poesia, dar importância às pequenas e sutis belezas do dia a dia, comunicar-se pelo abraço e para além das palavras.

    O pôr do sol

    “Quando o sol se punha, todos parávamos o que estivéssemos fazendo e ficávamos em pequenos agrupamentos observando o crepúsculo. As famílias se reuniam, as crianças se encarapitavam nos ombros dos mais velhos ou no colo dos pais. Os casais se acolhiam e se acariciavam.
    Essa era a “hora de fazer as pazes”, se alguém ainda estava ressentido com alguma coisa; era também a hora de recitar poesias, quase sempre compostas de improviso, ali mesmo. Sempre foi muito fácil para o nosso povo compor poemas de amor, ao pôr-do-sol, pois os rostos ficavam docemente iluminados pelo alaranjado do sol poente.

    Não tínhamos noção do que aquele disco luminoso no céu, mas sabíamos que era lindo e que devíamos a ele a nossa vida, a luz que nos iluminava, o calor que nos aquecia no inverno. Não imaginávamos que fosse alguma divindindade e sim um fenômeno natural como o raio, o trovão ou a chuva, e o reverenciávamos com um grande respeito e afeto”.

    Tenha um feliz e inesquecível Valentine’s Day!!

    14022017_DeRoseCopa_ValentinesDay#2

     

  • Concurso: Rio com Método

    25287794092_1f07e370a6_z

    REGULAMENTO:

    1) O participante deve postar fotos relacionadas a este tema, que demonstrem hábitos saudáveis, de gente feliz e de bem com a vida, curtindo as lindas paisagens da nossa cidade!  As fotos podem ser relacionadas à cultura, arte, esporte, arquitetura, paisagem, alimentação, estilo de vida, etc.

    Para participar, a foto deve conter as hashtags: com #RioComMétodo #‎DeRoseRio‬
    Poderá colocar outas hashtags no comentários, mas não no post principal.

    3) Deve ainda marcar na foto as escolas: @derosecopa, @DeRoseMethodLeblon, @DeRoseMethodDowntown, @derosemethod

    4) A escolha das 3 melhores fotos será feita pelo Comitê de Marketing da Federação do Rio. O critério de escolha da melhor foto será por:

    a) curtidas

    b) estética e qualidade da foto

    c) conceito da foto

    d) aplicação das hashtags corretas

    e) Tag das escolas

    f) quantidades de reposts

    5) Premiação:

    1 Lugar: um curso da Prof. Melina Flores + um curso da Prof. Vanessa de Holanda (a escolher em 2016) + três livros. Se o ganhador não for aluno será 1 mês de aulas em uma das escolas no lugar do curso da Prof. Melina Flores.

    2 Lugar: um curso da Prof. Melina Flores OU um curso da Prof. Vanessa de Holanda (a escolher em 2016) + dois livros. Se o ganhador não for aluno será 1 mês de aulas em uma das escolas no lugar do curso da Prof. Melina Flores.

    3 Lugar: três livros.

    6) Quem pode participar: qualquer pessoa que more no Rio de Janeiro.

    7) Duração do Concurso: de 15 a 29 de março
    Participe!

  • Boas relações humanas – Sistematizador DeRose

    Não adianta praticar, treinar forte ou desafiar a lei da gravidade se você não souber se relacionar bem com as outras pessoas.

    O cultivo das boas relações humanas constitui um dos principais fundamentos da Nossa Cultura. Acompanhe as palavras do próprio Sistematizador DeRose e assimile mais compreensão ao seu dia a dia:

    “Considero requisito principal a capacidade de boas relações humanas e não quero como aluno, nem como supervisionado, nem como assistente, nem mesmo como amigo, alguém que não saiba se relacionar bem com os demais.

    Nós temos uma prioridade no nosso esforço pelo aprimoramento: é o cultivo das boas relações entre os seres humanos. Não se admite que praticantes ou instrutores do DeRose Method não consigam superar uma emoção para evitar desentendimento com alguém. Por isso, as Federações incluíram este item na sua avaliação e não aprovam os candidatos que tenham dificuldade em se relacionar bem com todo o mundo.

    Não adianta nada fazer lindos exercícios se você responde a uma cara feia com outra cara feia. Ou se você sente inveja de outro colega. Ou se você se ofende com alguém. É uma vergonha para todos nós quando chega ao nosso conhecimento que um praticante se desentendeu com quem quer que seja, ou que se melindrou com outrem.

    Com o pretexto da franqueza ou da autenticidade muita gente faz grosserias, o que magoa quem está envolvido no mal-entendido e também quem não está. Amizades promissoras são rompidas para sempre. Fecundas carreiras profissionais são destruídas. Enormes prejuízos morais e financeiros são contabilizados por causa de uma palavra ou fisionomia que poderia ter sido perfeitamente evitada.

    Não estamos recomendando o fingimento nem a hipocrisia, mas sim a educação e a elegância. Emoções pesadas sujam mais o organismo do que fumar, beber e comer carnes. Não adianta praticar, meditar, vocalizar mantras, se você não souber se relacionar bem com as outras pessoas.

    Lapide o seu ego, eduque o seu emocional, reprograme a sua mente.

    Nós não somos pessoas vulgares e toscas, que habitualmente respondem com crueza a qualquer atitude que não as agrade, gerando, com isso, um mal-entendido atrás do outro.

    Quando faço estes apelos, sempre, quem os lê acha que não é consigo, que escrevi para outra pessoa, afinal, suas reações agressivas não terão sido culpa sua: foram, todas as vezes, meras reações de legítima defesa contra as ofensas perpetradas por terceiros! Se você pensa assim, aceite minhas condolências. Você sofre de egotite aguda.

    Há um método seguro para saber se a culpa é dos outros ou não. Se você se indispõe com, no máximo, uma pessoa a cada dez anos, fique tranquilo. É bem possível que o mal-estar não tenha sido responsabilidade sua. Mas se você frequentemente precisa se defender com veemência de ações cometidas pelos seus alunos, colegas, amigos, funcionários, prestadores de serviços ou desconhecidos, então você precisa fazer terapia.

    As pessoas, em qualquer profissão, tendem a tornar-se difíceis, grosseiras, autoritárias, sempre que progridem na vida ou sempre que são promovidas em seus cargos. No entanto, chegar no topo não é difícil: o difícil é ficar lá. Um verdadeiro líder não é autoritário nem antipático. Se o for, não ficará lá em cima por muito tempo.”

    11223801_10153305659073435_4186772308064000339_n 11880672_10205893804639124_4478454075206564573_n

  • O Brasil exporta cultura

    O Brasil é uma nação que começou sua história sendo colonizada e, dessa forma, apenas consumia toda cultura e conhecimento que vinha de fora. No entanto, quase 200 anos após nossa emancipação, notamos que essa mentalidade ainda se faz presente, mesmo que já não tenhamos mais tantas razões para crer que tudo que vem do exterior é melhor do que aquilo que nasce e cresce aqui.

    Nomes como Carlos Chagas, Heitor Villa-Lobos, Machado de Assis, Romero Britto, Alex Atala, Fernando Meirelles, Miguel Nicolelis, Sebastião Salgado, Carlos Saldenha, dentre muitos outros, merecem nossa admiração e nos fazem perceber que precisamos identificar e valorizar mais a produção nacional de boa qualidade, sem esperar o reconhecimento vindo de fora.

    Trazemos o depoimento do Sistematizador DeRose sobre o assunto e a importância da Nossa Cultura neste panorama.

    Nesse vídeo gravado na galeria Romero Britto, DeRose comenta a respeito da grande valorização dos brasileiros no exterior. Brasileiros que exportam arte, cultura, conhecimento. Ressalta ainda que dentro do Brasil o sentimento de reconhecimento nem sempre é o mesmo.

    “Consegui inverter o fluxo nas correntes da transmissão de conhecimento. Durante séculos, o Brasil só teve o privilégio de comprar cultura. Nunca o de transmiti-la.

    Pois bem, a nosso instituição a foi a primeira entidade cultural brasileira a exportar cultura para a Europa, sistematicamente, durante décadas. Desde 1975 dou cursos em países europeus, os quais estão se intensificando cada vez mais. Graças ao Método DeRose os brasileiros que viajam para o exterior experimentam um gostinho sem precedentes que é o de entrar falando português nos nossos afiliados na França, Inglaterra, Espanha, Alemanha, Itália, Bélgica, Estados Unidos…

    Até então, sempre precisávamos falar inglês para ser atendidos lá fora.

    Empresários brasileiros para fechar negócios com outros países sempre tiveram que falar inglês, mesmo para contratos assinados no Brasil! Um desrespeito inominável. No entanto, embora eu fale quatro línguas, sempre fiz negócios no exterior falando português. Minhas aulas, palestras e noites de autógrafos na Europa são realizadas em português, com tradução simultânea às vezes para seis línguas. Isso é inédito.

    Quem domina o Jiu-jitsu no mundo não são os japoneses e sim os brasileiros. O melhor boxeador peso galo de todos os tempos foi o vegetariano brasileiro Éder Jofre. O mesmo ocorreu com o football, difundido pelos ingleses, mas que teve por pentacampeões mundiais nada menos que os habitantes da Terra de Santa Cruz. Os vencedores da Fórmula Um foram os brasileiros Emerson Fittipaldi e Airton Senna. E ninguém precisa ir à Índia para encontrar o melhor acervo técnico da nossa Filosofia do mundo, precisa, sim, ir ao Brasil, pois é onde ele está nos albores do Terceiro Milênio. Com exceção dos países que são nossos parceiros latino-americanos e merecem que eu fale em espanhol.

    A curiosidade é: como o Brasil se tornou o berço dessa reviravolta e desse resgate histórico, muito bem representado pelo presente livro?

    A resposta é simples. Na década de 70 do século passado eu introduzi as técnicas do nosso Método nas universidades federais, estaduais e católicas de muitos estados do nosso país como curso de extensão universitária para a formação de instrutores. Isso fez toda a diferença, já que os estudantes passaram a levar sua preparação muito mais a sério.

    Isso fez com que os nossos professores durante quase quarenta anos de gerações sucessivas se tornassem cada vez mais qualificados. A conseqüência foi um salto evolutivo que colocou os brasileiros entre os melhores profissionais da área no mundo; seguidos pelos portugueses e argentinos. Estamos mais de duzentos anos à frente da maior parte dos países autodenominados como “Primeiro Mundo”.

    Essa vitória ganha ainda maior relevância por sabermos que o bloco dos países mais ricos insiste em nos olhar de soslaio.

    No entanto, modéstia às favas, com o Método DeRose conseguimos reverter esse estado de coisas e o mundo aceita nos escutar e aprender conosco. Não é vaidade. É orgulho sadio que quero compartilhar com você, estimado leitor, e com todos os brasileiros.” DeRose

     

  • Nossa definição de qualidade de vida

    Qualidade de vida é relacionar-se de maneira descontraída, ética e responsável com o meio ambiente e o meio sócio-cultural, procurando compartilhar e interagir, agregando sempre generosidade, elegância, respeito e carinho às nossas relações humanas (sociais, profissionais, familiares, afetivas e outras), mediante a adoção de um conjunto de valores que incluem boa cultura, boa civilidade e boa educação.

    11223643_864263856983659_2613205280760987107_n

    Qualidade de vida é manter um padrão de gastos dois degraus abaixo do que você ganhar. É residir próximo ao trabalho. É alimentar-se com frugalidade. É conseguir extrair satisfação de todas as coisas. É esbanjar o seu tempo dando atenção aos amigos e aos conhecidos. É dar flores à pessoa amada. É não se deixar abalar pelos percalços da vida. É amar com franqueza e perdoar com sinceridade.